WhatsApp Image 2019-04-05 at 11.37.25.jpeg

pelo avesso são paulo

pelo avesso, são paulo, centro cultural histórico /universidade presbiteriana mackenzie, 2019

A exposição começa na minha cabeça bem antes da montagem. Quando é possível, eu gosto de visitar o espaço, fotografar, observar o pé direito, o chão, as portas, janelas, toda e qualquer característica do espaço me interessa. Nesse caso a sala expositiva é intimista, tem um chão de madeira acolhedor, tem janelas que dão para árvores e para o prédio da Maria Antônia (USP), um elevador que tem a porta dentro da sala expositiva, e uma estrutura de vidro por onde o elevador se desloca. A porta é alta e de madeira. A sala tem o formato de um U. Entrei na sala, observei todos os desenhos do próprio espaço. De volta ao meu ateliê e aos objetos que iriam habitar aquele espaço eu começo a pensar em dimensões, distâncias, deslocamentos do espectador, tudo isso antes de selecionar os elementos poéticos do processo que seriam utlizados na exposição.
— valeria scornaienchi
WhatsApp Image 2019-04-05 at 11.37.09.jpeg
 

 

WhatsApp Image 2019-04-05 at 11.38.18 (1).jpeg

fotos de vane barini

 
Museu = lugar de experimentação.

Museu = lugar de experimentação.

No projeto original havia o ateliê-maquete. Que eu prontamente entendi que não caberia ali no meu pensamento de usar todo o espaço como ateliê. Eu teria uma caixa dentro da outra e pouca mobilidade. E eu preciso de fluxo no meu trabalho. Esses deslocamentos são importantes pra mim. Decidi então utilizar todas as partes que compunham o ateliê-maquete como estruturas para habitar o espaço. Lembrando que esse prédio é tombado e portanto impossível colocar coisas pregadas diretamente na parede. Ao longo da montagem fui percebendo o lugar e criando relações entre as imagens. As imagens que retratam o processo dos verbos em uma das paredes do ateliê-maquete agora estão na frente da própria estrutura (placa com os verbos escritos). Assim enquanto eu olho os verbos todo processo está logo atrás de mim e vice-versa. O que acaba dialogando com a maneira como o trabalho foi construído. Os verbos foram deixados, pelos visitantes, escritos numa folha na mesa do ateliê durante um período da exposição, e depois eu os reescrevi na parede externa do ateliê. Nesse outro momento como ele virou o trabalho ele é uma das paredes internas do próprio ateliê, não mais externas. Na outra parede que está entre os verbos e as imagens, há registros, pensamentos e processo. Esse é um lugar das perguntas e questionamentos sobre arte, o processo, o trabalho, e todas as derivações por onde sou levada quando reflito sobre o que é o trabalho de arte.
— valeria scornaienchi
54518422_2207738152603495_3773143612942974976_o.jpg
55861051_2235804536463523_1578376820305166336_n.jpg
 
WhatsApp Image 2019-04-05 at 11.44.29.jpeg
55949839_2872012486149914_6222615637114486784_n.jpg
54239217_2821830897834740_9012353898395992064_o.jpg
 

catálogo da exposição

catálogo-livro-de-artista da exposição pelo avesso / por Fabiana Pacola Ius, MIX estúdio criativo, que também cuidou da identidade visual da exposição e da criação do logo 'pelo avesso'.